quinta-feira, janeiro 27, 2005

Corrida ao prémio “Olha que partido de cromos”

Meus caros amigos, perdi uns segundos a pensar em política, e acho que está na altura de termos uma primeira visão burgessa das eleições legislativas que aí vêm.

A campanha eleitoral ainda vai no adro, mas para mim a medalha de “Olha que partido de cromos” deverá ser entregue ao Partido Popular.

Em primeiro lugar, o PP usa na sua campanha o maior paradoxo político da história nacional: Um cartaz a dizer “Voto Útil” com a foto do Paulo Portas.

Depois, sinceramente falando, como é que um partido que rompeu com a imagem “à Manuel Monteiro” e a substituiu pelos fatos às riscas e lencinho a condizer com a gravata, ou a boina para dar um “efeito esquerdista” quando é para agradar às peixeiras e aos reformados, pode deixar o Dr. Telmo Correia ser filmado com aquele par de óculos?!

Aquilo é “Monteirismo” assumido! Heresia no núcleo dos Democratas Cristãos!

Alguém que compre um par de óculos ao homem, sff, que agora até há lojas com 50% de desconto e tudo.

E não me venham dizer que um tipo que compra três submarinos em plena crise não tem uns cobres para pagar uma armação mais rectangular e transparente (estilo Nobre Guedes) ao amigo.

A juntar a isto, tem um líder que assina um pacto pós-eleitoral com o maior noctívago da história política portuguesa, e depois “virou” e já fala em lógicas de entendimento com o Sócrates.

O Paulo Portas a entender-se com o Sócrates? E o pobre do Diogo Infante, onde é que fica nesta história, hein? Santa paciência.

O PSD também está na corrida ao título de “Olha que partido de cromos” e para acentuar a sua candidatura enviou fotos do Santana Lopes para todas as Juntas de Freguesia.

É a continuação do chamado programa “Transforme a Sua Junta Numa Oficina de Automóveis”, do qual já fizeram parte Durão Barroso e António Guterres.

Qualquer dia juntam os 12 últimos primeiros-ministros e fazem um calendário.

- Então, shô Presidente da Junta, quem é o seu Mister Janeiro?

- É o Durão, pá. Olha para esta pose!

- Ena, pá, shô Presidente. Faz jus ao nome!

CGA